We are apologize for the inconvenience but you need to download
more modern browser in order to be able to browse our page
23 de maio de 2008

Resenha – O Bem Amado

A peça conta a história de Odorico Paraguaçu, prefeito corrupto da cidade fictícia de Sucupira, no litoral da Bahia. Para se eleger prefeito, o até então vereador Odorico Paraguaçu promete aos eleitores um cemitério para a cidade. O problema, porém, é que em Sucupira não há registro de óbitos, o que o deixa em situação desfavorável diante da oposição.

Para recuperar sua imagem abalada e se manter no cargo, Odorico Paraguaçu precisa a qualquer custo inaugurar o cemitério, o que o leva a contratar o jagunço mais temido da região, Zeca Diabo. Para disfarçar a situação Odorico Paraguaçu nomeia o jagunço como delegado da cidade.

Extremamente mulherengo, o prefeito mantém um caso amoroso com cada uma das três irmãs cajazeiras, sendo inclusive, uma delas, casada com seu secretário Dirceu Borboleta. Este ganha destaque quando acredita nas intrigas do prefeito sobre uma suposta traição da mulher com um dos integrantes da oposição. O plano de Odorico quase dá certo: Dirceu Borboleta furioso mata a mulher. Mas a tentativa de Odorico para inaugurar o cemitério se esvai quando aparece o testamento da mãe da morta exige que ela seja enterrada na cidade vizinha.

Por fim, o plano do prefeito é concretizado quando ele mesmo se torna o primeiro a ser enterrado no cemitério, morto por vários tiros pelo seu próprio delegado revoltado, o Zeca Diabo.

O espetáculo marca o encontro inédito entre Marco Nanini e a Cia. Dos atores. O texto de Dias Gomes, originalmente criado para o teatro, retorna aos palcos com a brilhante adaptação de Guel Arraes e Claudio Paiva. No palco, a direção de arte de Gringo Cardia apresenta detalhes do estilo Barroco, após longa pesquisa sobre estética da periferia. Figurinos em cores exageradas, painéis que reproduzem xilogravuras de cordel, cartazes e lambe-lambes dão ao espetáculo ainda mais vivacidade.

Nanini está fantástico na interpretação, deixando nada a desejar se compararmos sua atuação à de Paulo Gracindo, na trama exibida na televisão em 1973, como a primeira novela produzida em cores no Brasil. Vale conferir e dar boas risadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Top
LOADING CONTENT